APÁS de Jaboticabal completa 40 anos e testemunho de irmã de surdo emociona


Surdacega Janaina Iwanaga interpreta em Libras o Hino Nacional, acompanhada pelos surdos presentes.

A Associação de Pais e Amigos dos Surdos (APÁS) de Jaboticabal realizou na noite dessa quarta-feira (22/08), com apoio da Câmara Municipal de Jaboticabal, uma cerimônia de comemoração aos 40 anos da instituição.

Fundada em 26 de agosto de 1978, a APÁS é uma associação civil beneficente sem fins lucrativos com atuação nas áreas de saúde, educação e assistência social. Atualmente atende aproximadamente 120 surdos de Jaboticabal, Guariba, Taquaritinga, Monte Alto, Pradópolis, Barrinha, Pitangueiras e Guatapará.

“É neste local que os surdos conhecem sua língua, descobrem sua identidade surda e desenvolvem suas potencialidades, com profissionais especializados dispostos a ajudá-los a exercer seus direitos de cidadãos, fortalecendo-os para enfrentarem os desafios que, possivelmente, encontrarão em seu meio social, levando-os a participarem da vida em sociedade”, explicou a supervisora da APÁS, Miucha Carregari.


Em curso de capacitação de pregão, em São Paulo, presidente da Casa, Dr. Edu Fenerich, envia vídeo parabenizando a instituição.

O presidente da Câmara de Jaboticabal, Dr. Edu Fenerich (PPS), que não pôde participar da cerimônia, enviou um vídeo de congratulação à instituição pelas ações desenvolvidas ao longo dos anos na cidade, e adiantou que a Câmara, através da Escola do Legislativo, se prepara para oferecer um curso gratuito em Língua Brasileira de Sinais (Libras) voltado à população. “Muito obrigado a todos, especialmente a vocês [funcionários e apoiadores], pelo que fazem pela nossa terra e nossa gente”, finalizou Fenerich. [Clique aqui e assista o vídeo]


Secretário Municipal de Administração, Leonardo Yamazaki, discursa em representação ao Chefe do Executivo.

Por sua vez, o secretário de Administração, Leonardo Yamazaki, representando o vice-prefeito, Vitório De Simoni, no exercício do cargo de prefeito, também destacou a importância da instituição para Jaboticabal. “Nós como poder público só temos que agradecer uma instituição como a APÁS, por prestar esse serviço a nossa comunidade. Então, por todo esse amor e dedicação, que esses funcionários têm por esses alunos, o município só tem a agradecer”, discursou.


"Sou muito grata pela oportunidade que tive”, enalteceu a fundadora da APÁS em vídeo especial enviado para o evento.

A fundadora da APÁS, Celia Marisa Faria Taverna, aos 84 anos, hoje residente em Goiás, também enviou um vídeo de agradecimento e relembrou a implantação da instituição. “Conseguimos visibilidade para todos os nossos alunos, e assim proporcionando uma inclusão no mercado de trabalho. Sou muito grata pela oportunidade que tive”, enalteceu Celia. [Clique aqui e assista o vídeo]

Para o presidente da APÁS, Eduardo Chieron, “a verdadeira felicidade é quando você faz alguém feliz. E é isso que eu sinto através das entidades a qual hoje eu estou tentando ajudar. Gostaria que todos os empresários pudessem abraçar essa causa”.


Presidente da APÁS, Eduardo Chieron, discursa em nome da instituição.

Prestigiaram o evento autoridades dos poderes Legislativo e Executivo, entre eles os vereadores Daniel Rodrigues (PSC), Luís Carlos Fernandes (PSC) e Samuel Cunha (PSDB), os secretários municipais de Administração, Leonardo Yamazaki; de Indústria Comércio e Turismo, José Vantini Junior; além do presidente da ABCDOWN, Luiz Fieno; e de professores e coordenadores que ajudaram, e ajudam, na educação e formação da comunidade surda da cidade e região.

TESTEMUNHO – Virginia Antonino, atualmente intérprete concursada da Casa de Leis Jaboticabalense, compartilhou seu testemunho pessoal de desafios e vitórias. Histórias certamente enfrentadas por milhões de famílias ao redor do mundo.

Para Virginia, a motivação em aprender Libras veio de dentro de casa: a surdez do irmão mais velho, Florivaldo Antonino, hoje com 49 anos. Flori, como é chamado pelos amigos e familiares, aprendeu Libras aos 12 anos por meio da antiga escola Municipal Estrelinha Azul e, posteriormente, da APÁS. Mas antes, enfrentou resistência dentro de casa. O pai não acreditava que o filho pudesse ser educado em Libras. A mãe insistiu e venceu. O pai acabou virando um adepto da língua, mas acabou morrendo pouco tempo depois de abraçar a causa do filho. Virginia, que desde criança aprendeu a se comunicar com o irmão através de sinais, viu na morte do pai um gatilho para decidir que aprenderia Libras e seria professora “para ajudar outras crianças especiais”, que assim como seu irmão, um dia precisou daquele empurrãozinho para a aprendizagem e, sobretudo, para a formação cidadã. [Clique e leia a íntegra do testemunho].


Atento, Florivaldo Antonino acompanha o testemunho da irmã, que hoje ocupa o cargo efetivo de intérprete da Câmara Municipal.

De acordo com o Censo de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Jaboticabal possuía 105 surdos e 2.823 habitantes com alguma dificuldade auditiva. Em todo o estado são mais de 90 mil surdos e quase 1.5 milhão de pessoas com alguma dificuldade de audição.


Público acompanha o testemunho de Virginia e professoras se emocionam.

Vale lembrar que em Jaboticabal, conforme a Lei municipal nº 3.607/2007, todos recém-nascidos são obrigados a passar pelo exame de surdez, popularmente conhecido como o teste da orelhinha. De acordo com a lei, em caso positivo para surdez ou perda parcial das possibilidades auditivas sonoras em recém-nascidos, serão encaminhados para instituição especializada, atualmente a APÁS, para tratamento e encaminhamento para a correta educação destas crianças.

Na Câmara Municipal de Jaboticabal as sessões ordinárias, extraordinárias e solenes contam com a interpretação de Libras em tempo real, bem como na transmissão ao vivo pela WEBTV, desde fevereiro de 2018.

O CORPO FALA – Apesar da música fazer parte da cultura ouvinte, ela também está presente no universo sem som. Através do corpo, com suas expressões faciais e dos sinais vindos dos movimentos dos braços e mãos, através da Língua Brasileira de Sinais (Libras) a informação vai se completando e abrindo o universo de compreensão para o surdo. Prova disso foi a interpretação do Hino Nacional, realizada pela surdacega Janaina Iwanaga. Mesmo sem poder ver e ouvir, ela aprendeu através do tato a se comunicar por meio da Libras. E foi assim que Janaina regeu o Hino Nacional. Ao mesmo tempo em que ela interpretava, com auxílio para a marcação de início de entrada da música para o público ouvinte, todos os surdos presentes acompanharam a letra em Libras.


A surdacega Janaina Iwanaga acompanha o evento por meio da interpretação de Viviane Schentl.

O público também pôde assistir a um vídeo relembrando as atividades da instituição, de sua equipe e parceiros ao longo dos anos. A poesia também ganhou espaço durante o evento. “O Tempo”, de Mario Quintana, foi interpretado pela surda Aline Nunes. A íntegra da cerimônia pode ser vista pela WEBTV da Câmara (tv.camarajaboticabal.sp.gov.br).


Surda Aline Nunes interpreta em Libras poesia de Mário Quintana.


Autoridades e representantes da APÁS.

Ana Paula Junqueira
Assessoria de Comunicação
(16) 3209-9478