“Viagem no tempo”: Lembranças marcam sessão solene em comemoração aos 100 anos do “Estadão”


Solenidade para entrega de medalhas comemorativas aos 100 anos do "Estadão".

A sessão solene de entrega das medalhas comemorativas aos 100 anos da Escola Estadual Aurélio Arrôbas Martins, o “Estadão”, reuniu na noite de sexta-feira (20/10) gerações de professores e ex-alunos que fizeram parte da história da instituição de ensino.

Ao todo, 100 pessoas, entre ex-alunos, professores da ativa e aposentados, e dirigentes - indicados por representantes da escola que formaram comissão para este fim -, receberam uma medalha comemorativa em ato simbólico estendido a todos que, de alguma forma, dedicaram e dedicam parte de suas vidas ao “Estadão”.

Recheada por abraços saudosos e muita lembrança, a sessão foi conduzida pelo presidente da Câmara Municipal de Jaboticabal, e ex-aluno da escola, o vereador Dr. Edu Fenerich. A solenidade contou ainda com a presença do prefeito Municipal, José Carlos Hori, que também foi aluno da instituição.


Familiares do fundador do "Estadão", Aurélio Arrôbas Martins, prestigiam a solenidade.

Descendentes e familiares do fundador e patrono do “Estadão”, Aurélio Arrôbas Martins (in memorian), igualmente marcaram presença no evento e receberam a medalha comemorativa. Aos 91 anos, Maria Alice Sodré Lombard Arrôbas Martins, que foi casada com o filho do fundador, Luís Gonzaga Bandeira de Mello Arrôbas Martins (in memorian), acompanhada de suas filhas Maria Regina Arrôbas Martins e Maria Ester Arrôbas Martins, vieram da capital paulista para a solenidade. Também participou a sobrinha neta do fundador, e neta do professor e ex-prefeito municipal, Antonio Arrôbas Martins (in memorian), Cristina Neme.


Autora da propositura que resultou na homenagem, Dra. Andréa Delegada.

Dra. Andréa Delegada, autora do Decreto Legislativo nº 639/2015, na Legislatura 2013-2016, que resultou na homenagem, foi a primeira a ocupar a tribuna, quando traçou um breve histórico da escola. “Manter-se sólido, ajudando a construir bases também sólidas, e contribuindo com a formação de milhares de estudantes ao longo de um período tão grande, é mérito de poucos. É mérito da Escola Estadual Aurélio Arrôbas Martins, nosso querido “Estadão””, discursou a propositora.


Tomoe Yamamoto discursa em nome do corpo discente.

Em nome dos ex-alunos, Tomoe Yamamoto relembrou o período escolar e fez com que o público “viajasse no tempo”. “Não precisamos nem ver, mas apenas fechar os olhos para recordar os corredores e as salas de aula dessa escola querida, e sentir vibrar as conversas, os risos, as correrias dos alunos, e somos capazes de lembrar onde ficava cada inspetor de aluno. Lembranças de uma fase alegre e feliz. Muitas recordações e saudade de todos que carinhosamente transmitiam suas aulas com seu jeito de ser único. Ficaria a noite inteira lembrando e recordando. Queridos mestres, funcionários, diretores, coordenadores que por aqui dedicaram boa parte de suas vidas. Aprendi com vocês que dar e receber é um só”, discorreu Tomoe.


Professor Ângelo Benetti faz pronunciamento representando o "Estadão".

Na sequência, representando o “Estadão”, e a comissão das festividades pela instituição, o professor Ângelo Benetti lembrou a importância do estabelecimento de ensino para a cidade e região. “São 100 anos dedicados à educação e à história de Jaboticabal. Lembrando que a Escola Estadual Aurélio Arrôbas Martins tem um importante papel na construção de uma sociedade mais justa e democrática. Uma escola que faz concretizar ações educativas através de trabalhos desafiadores e de qualidade nas suas ações. Todos aqui representantes, e os que aqui não estão, fazem parte destes gloriosos 100 anos. Foram quase 60 mil pessoas que passaram por estas paredes desde sua fundação, em 1917, até os dias atuais. Gostaríamos que estes quase 60 mil fossem homenageados de alguma forma, mas é impossível. Os que estão aqui hoje representam estes 60 mil”, destacou o docente.


"...E viva esse Estadão, que fez a diferença na vida de muitas pessoas. Uma delas sou eu”, discursou o prefeito José Carlos Hori.

Depois foi a vez do prefeito José Carlos Hori, que dividiu a homenagem com outra colega de classe de sua época, presente na solenidade, Ana Paula Gerbasi, que hoje também leciona na instituição. “Passou um filme muito rápido em nossa cabeça. Como era bom poder treinar com nosso professor de educação física, e depois ter a chance de competir no Colégio Santo André. Como era bom ganhar do Colégio Santo André... que prazer! E como eles também gostavam de ganhar da gente!”, lembrou entre risos Hori. “Essa é uma noite memorável. A nossa história ficou um pouco mais rica na cidade de Jaboticabal. E viva esse Estadão, que fez a diferença na vida de muitas pessoas. Uma delas sou eu”, disse o prefeito.

Durante seu pronunciamento, Hori também chamou a atenção de pais e estudantes para o respeito e disciplina diante do professor. “Vocês [aos educadores] não têm noção do quanto vocês marcaram a vida de cada um de nós. Vocês não tem noção do quanto vocês impregnaram dentro da gente, princípios, conduta. Por outro lado, fico triste porque eu vejo o que a educação está vivendo hoje. A gente vê o que os professores estão sofrendo em sala de aula. Como está difícil! As famílias desestruturadas... A família distanciada do rito escolar com seus filhos. A família distanciada do professor... Meu pai acreditava piamente no professor. Hoje, fico imaginando o risco que um professor corre, dependendo, quando for alertar um pai ou uma mãe em relação à conduta de um filho...”, refletiu Hori.


Ex-aluno do "Estadão", Dr. Edu Fenerich, durante seu pronunciamento.

O último discurso da noite ficou por conta do presidente da Câmara, Dr. Edu Fenerich, que em um pronunciamento breve, se emocionou ao recordar do período estudantil. “Essa fantástica escola, que tantos já nos deu, hoje nos proporciona mais uma alegria ímpar, qual seja, uma maravilhosa viagem pelo túnel do tempo. Indubitavelmente, todos nós estamos recordando de momentos inesquecíveis vividos neste local. Me recordo, por exemplo, que há quase 47 anos neste salão nobre, recebia meu certificado de conclusão da 4ª série do curso ginasial. Manifesto neste momento a minha eterna gratidão a todos os diretores, professores e funcionários do nosso querido Estadão, de forma direta, ou indireta, com o trabalho dedicado e competente contribuíram para que adquiríssemos o patrimônio inalienável, patrimônio esse que só a morte nos tomará: o patrimônio intelectual, o saber, o conhecimento”, finalizou Fenerich.


"... Às vezes eu até sonho que estou lecionando aqui outra vez" - professora Célia Moreira.

Entre os homenageados, a professora de inglês aposentada Célia Moreira, 85 anos, sentou na primeira fila. Ela estudou no "Estadão" da 1ª série até o colegial, e mais tarde lecionou por 20 anos na escola. "Pra mim foi muito gratificante. Eu passei muito tempo aqui. Às vezes eu até sonho que estou lecionando aqui outra vez", revelou entre risos a professora, que recebeu a homenagem com gratidão. "Eu fiquei muito feliz, porque eu sabia que aqui eu ia rever muitos alunos. Sempre lembro com saudade desse tempo [de professora]. Só tenho boas lembranças", recordou a docente, que encontrou entre os homenageados, seu ex-aluno, e professor aposentado, Nélio Manduca, 67 anos.


Professor Nélio Manduca durante o recebimento da medalha comemorativa.

“Foi uma grande escola na minha vida. Nos três anos que passei no Estadão, fizemos teatro. Tudo de bom! Foi um privilégio ser apossado de tanta cultura e tanto testemunho, porque os professores não só ensinavam como eles construíram cidadãos. Isso foi de uma importância muito grande. Posso dizer que aprendi muito mais do que ensinei. Hoje é um dia que me deixa sobejamente agradecido. Digo que não mereço, quem merece são os alunos. Porque, o que é um professor sem aluno?”, disparou o professor.


Professor Clélia Aleixo, relembra os tempos de "Estadão".

A igualmente homenageada professora Clélia de Souza e Castro Aleixo, 96 anos, que lecionou educação física, relembrou das equipes de vôlei e basquete que comandou, do Clube de Educação Física que ajudou a fundar na escola e de colegas de trabalho e alunos. "Eu acho muito bonita essa homenagem que estão fazendo. Dei minha vida inteirinha pela educação física desse colégio", disse a professora, que foi primeira-dama do ex-prefeito Dayton Aleixo de Souza (in memorian) na década de 80.

Prestigiaram a solenidade os vereadores Wilsinho Locutor, Luís Carlos Fernandes, João Bassi, Pepa Servidone e Dona Cidinha. Completaram a mesa dos trabalhos a vice-diretora da EE Aurélio Arrôbas Martins, professora Regina Garcia; o instrutor do Tiro de Guerra 02-018 de Jaboticabal, Sargento Nalon; e a dirigente regional de Ensino de Jaboticabal, professora Vânia Regina Maria Passos.

Confira a galeria de fotos completa na página da Câmara no Facebook (facebook.com/CamaraJaboticabal). A sessão solene na íntegra está disponível na WEBTV da Câmara (tv.camarajaboticabal.sp.gov.br)


Ana Paula Junqueira
Assessoria de Comunicação
(16) 3209-9478